RISCOS ERGONÔMICOS: COMO IDENTIFICAR?

 

Quando se fala em riscos ergonômicos, é comum imaginar que o assunto se refere a mobiliário e equipamentos adequados para o colaborador. Na verdade, trata-se de todo o ambiente e contexto do trabalho.
Qualquer risco envolvendo fatores biomecânicos e que possa causar desconforto ou afetar a saúde dos colaboradores é considerado um risco ergonômico, incluindo desde um trabalho realizado em uma posição inadequada, mobiliários inadequados, ausência ou uso incorreto de equipamentos e máquinas, até jornadas muito longas, monotonia e repetitividade nas atividades executadas, ou situações de alto nível de estresse mental. Para que haja risco ergonômico, não é preciso que o trabalho envolva riscos de acidentes graves.

O corpo humano possui limites, mas na rotina competitiva do mercado de trabalho, muitos acabam extrapolando os próprios limites para obter bons resultados. Cabe as empresas manterem-se atentas. Confira os principais riscos e fique atento parta identificá-los e corrigi-los.

 

Coloque seu e-mail abaixo e receba as
atualizações do nosso blog em primeira mão.


 


5 MAIORES RISCOS ERGONÔMICOS

 

riscos ergonômicos

Vamos, agora, conhecer alguns dos maiores riscos no espaço laboral, de acordo com o site Núcleo Health Care:

1 – Má Postura

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 80% das pessoas terão pelo menos duas crises de dor intensa na coluna durante a vida. Entre as muitas doenças que afetam nossa coluna, muitas vão se manifestar após um período acumulativo de má postura.

A má postura ainda pode causar enfraquecimento e lesões em outras áreas do corpo, como ombros e pulsos. Deixando o colaborador mais propenso a desenvolver um quadro de DORT (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho).

Temos um material bem interessante sobre a forma correta de sentar e muitos produtos ergonômicos essenciais como suportes de notebook, suportes para monitor, apoio para antebraço e apoio para pés.

#COMO ACABAR COM DORES CERVICAIS

#LINHA COMPLETA DE ARTIGOS ERGONÔMICOS

2 – Trabalhos monótonos e repetitivos

Tarefas muito burocráticas, paradas e maçantes contribuem para o desenvolvimento de distúrbios psicológicos como ansiedade, estresse e depressão, afetando a produtividade e qualidade de vida do colaborador. Já a repetição dos mesmos movimentos, tais como trabalhar no computador ou operar máquinas, pode levar a LER (Lesão por Esforço Repetitivo). É importante manter-se atento para evitar essa enfermidade que causa dores e limita a movimentação da região afetada.

3 – Iluminação inadequada

A iluminação deficiente reduz a segurança no ambiente de trabalho deixando o colaborador mais sujeito a sofrer acidentes por não conseguir enxergar apropriadamente. Uma boa iluminação no trabalho poderá reduzir riscos de acidentes e a fadiga visual que deixa os olhos vermelhos, doloridos e lacrimejantes.

4 – Ritmo muito acelerado e grandes jornadas de trabalho

Excesso de tarefas somado a muitas cobranças resulta em estresse físico e psicológico. O esgotamento profissional — ou burnout — é um quadro cada vez mais comum em um ambiente de trabalho onde as cobranças são excessivas, ele corresponde ao colapso físico e mental e exige atenção médica imediata, pois, a saúde do colaborador se torna mais frágil e ele fica mais suscetível a diversos distúrbios como hipertensão arterial, transtorno de ansiedade, depressão e doenças do trato gastrointestinal, tais como úlceras e gastrite.

5 – Levantamento de grandes cargas

Em geral, as pessoas expõem-se a riscos que desconhecem, seja por sentar em uma posição inadequada ou, falta de equipamentos essenciais para sua segurança dependendo da sua atividade. Em alguns casos, é necessário um cuidado redobrado com a postura, caso de quem executa trabalhos que exigem erguer cargas pesadas e também movimentação intensa da coluna.

Na sua empresa, os colaboradores desenvolvem tarefas deste tipo? E eles usam proteção adequada? Fique atento, pois os custos podem ser altos para a empresa e à saúde do funcionário.

# CINTA LOMBAR: MAIS SEGURANÇA, MENOS CUSTOS

 


AGINDO PREVENTIVAMENTE

 

ergonomia prevenção

Os riscos ergonômicos que mencionamos podem ser evitados. Para isso, é essencial que sua empresa passe por uma análise ergonômica do trabalho (AET), a fim de garantir um ambiente de trabalho mais confortável, seguro e adequado aos colaboradores. Indicamos que seja feita a AET, mas deixamos já, algumas dicas para auxiliar sua empresa a agir de forma preventiva.

Pausas regulares: quem trabalha com computador, permanece sentado(a) várias horas em frente à mesa, o ideal é que, a cada 50 minutos, sejam feitas pausas, indo ao banheiro, ou parando pra fazer um lanche, por exemplo.

Pausas também são importantes em outros tipos de trabalho, pois evitam o burnout.

Boa postura: fique de olho e procure corrigir as más posturas de todos, dos que trabalham sentados, dos que trabalham em pé, dos que carregam pesos.

Atenção ao peso dos objetos: ninguém deve carregar peso superior a 18 kg, nem transportar cargas acima de 6 kg em apenas uma das mãos. Não se  aconselha dobrar o quadril abaixando-se para pegar qualquer objeto superior a 18 kg mais de uma vez a cada cinco minutos. Cargas mais pesadas, de 23 kg ou mais, devem ser transportadas por, no mínimo, duas pessoas.

Nunca esqueça dos EPIs: equipamentos de proteção individual, como luvas, protetores auriculares, capacetes, entre outros, servem justamente para proteger o colaborador.

Combata a monotonia e repetição: alguns trabalhos realmente são mais burocráticos, repetitivos, ou os dois, ao mesmo tempo. Existem formas eficientes de amenizar o estresse causado por esta situação como realizar ginástica laboral com duração de 10 a 20 minutos, implementar maior flexibilidade, cooperação e interação entre os colaboradores, estimular a criatividade dos colaboradores.

 


BAIXO RISCO, ALTA PRODUTIVIDADE

 

ergonomia riscos evitados

Evitar e prevenir os riscos ergonômicos não é só uma necessidade, mas também uma exigência da legislação trabalhista brasileira que conta agora com o apoio do e-Social uma ferramenta obrigatória implantada pelo governo em 2018 que solicita às empresas uma espécie de dossiê sobre questões trabalhistas, envolvendo, naturalmente, a questão da ergonomia e dos EPI’s.

Além de comprometer seriamente a saúde do colaborador, a falta de uma análise minuciosa traz prejuízos no seu desempenho, o que prejudica toda a cadeia produtiva da empresa. O melhor caminho para o sucesso é cuidar bem daqueles que ajudam você a construí-lo, manter sua empresa ergonomicamente adequada irá aumentar a produtividade, melhorar a qualidade de vida dos colaboradores, ajudará a evitar doenças ocupacionais e a ocorrência de acidentes de trabalho.

Gostou do artigo? Fique à vontade para tirar qualquer dúvida.
Aproveite e visite a nossa loja virtual onde você vai encontrar nossa linha completa de produtos ergonômicos.

Abraço. Até a próxima!

Comente!

Nossos Clientes

Vídeos de Produtos

Depoimentos